home multimidia noticias

30/01/2018

Pesquisa auxilia indústria de arroz na tomada de decisões

Pesquisa auxilia indústria de arroz na tomada de decisões

Foi realizada na última sexta-feira (26/01) a primeira defesa de dissertação do Curso de Mestrado Profissional em Ciência e Tecnologia de Alimentos da UFPel. A Engenheira Agrônoma Edimara Polidoro defendeu dissertação intitulada “Qualidade de grãos de diferentes genótipos de arroz produzidos em Pelotas-RS e industrializados por processo convencional e por parboilização”. Edimara atua na empresa Puro Grão e o projeto partiu dos problemas observados na empresa, principalmente pela dificuldade em selecionar materiais para atender o mercado externo.

Em seu estudo, Edimara selecionou seis genótipos de arroz cultivados na região e analisou a qualidade físico-química e de parâmetros industriais de cada material. “Este tema foi escolhido porque possibilita segregar os materiais conforme suas características e, dessa forma, permite o ajuste das operações industriais para minimizar perdas qualitativas”, diz a pesquisadora.

Edimara ressalta, ainda, que a partir dos resultados obtidos fica claro que ajustes no manejo agronômico no cultivo devem ser realizados para melhorar a qualidade industrial dos genótipos. “Ao final da pesquisa foram conhecidas as diferenças no rendimento de grãos inteiros, na brancura, no teor de gessados, nas características de cocção e de parboilização de cada material”, explica.

O trabalho realizado por Edimara foi orientado pelos professores Nathan Vanier e Moacir Elias e pela Dra. Jessica Hoffmann, todos do Labgrãos. O teor de arsênio no arroz também foi avaliado. Os resultados ficaram abaixo dos limites máximos estabelecidos pela ANVISA para arsênio inorgânico. “As informações obtidas neste trabalho de pesquisa estão alinhadas com o objetivo do Curso de Mestrado Profissional em Ciência e Tecnologia de Alimentos e com a missão do Labgrãos, contribuindo com a qualificação do profissional e com o desenvolvimento do setor alimentício de nossa região”, afirma o professor Nathan.